Cinemas continuam a ter menos espetadores do que na pré-pandemia

Apesar de os cinemas portugueses terem registado, entre os meses de janeiro e setembro, mais espetadores e receitas de bilheteira do que no mesmo período do ano passado, os números estão muito distantes dos de 2019



Assim, segundo as estatísticas mensais divulgadas pelo Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), citados pela agência Lusa, até setembro contabilizaram-se cerca de 6,7 milhões de espetadores e 38,5 milhões de euros de receita de bilheteira.

Estes valores mais do que duplicam os registados no mesmo período de 2021 (2,8 milhões de bilhetes emitidos e os 15,8 milhões de euros de receita de bilheteira), contudo, ficam muito longe dos 11,5 milhões de bilhetes vendidos e dos 61,3 milhões de euros de receitas de bilheteira obtidos nos primeiros nove meses de 2019.

Contrariamente ao que aconteceu em julho e agosto, meses em que o número de espetadores ultrapassou um milhão, em setembro esse número ficou pelos 646 mil e uma receita de bilheteira de 3,6 milhões de euros, contra 6,0 milhões e 5,6 milhões, respetivamente, nos dois meses anteriores.

Dos 6,7 milhões de espetadores registados este ano nas salas de cinema, 2,8 milhões viram filmes distribuídos pela NOS Lusomundo, que se mantém líder de mercado, e um milhão de pessoas viu filmes distribuídos pela Cinemundo.

Mais de metade dos 854 filmes exibidos este ano, 526 foram produções europeias e 177 foram produzidas nos EUA. Ainda assim, a hegemonia, em termos de espetadores e receitas de bilheteira, continua a pertencer ao cinema norte-americano, com 27,3 milhões de euros e 4,7 milhões de espetadores.

O Top Gun: Maverick, de Joseph Kosinski, continua a ser líder de bilheteira, com 710.320 espetadores e 4,4 milhões de euros de receita.