Ex-recluso recebe 50 mil euros de indemnização por diagnóstico errado que levou a amputação

Ex-recluso da prisão de Custóias foi diagnosticado com entorse e dor articular durante vários dias, mas acabou por ser amputado. Justiça deu-lhe razão e condenou hospital e prisão a indemnização.



O Hospital Pedro Hispano, no Porto, e a prisão de Custóias foram condenados a pagar uma indemnização de 50 mil euros a um ex-recluso. O homem de 28 anos foi obrigado a amputar uma perna depois de um erro de diagnóstico.

O diagnóstico referia apenas uma entorse no tornozelo direito, diagnosticada poucas horas depois de ter caído durante um jogo de basquetebol com outros reclusos no final de 2009.

Observado no posto médico da cadeia, fez gelo, medicação e repouso, mas os dias iam passando e as dores e o inchaço mantiveram-se.

Quinze dias depois, as queixas eram tantas que foi levado às urgências da Unidade Local de Saúde de Matosinhos, que pertence ao Hospital Pedro Hispano, onde foi submetido a um raio X. O diagnóstico reportou apenas uma dor articular.

Seis dias mais tarde, nova ida ao mesmo hospital e nenhuma alteração na avaliação médica e no tratamento.

Inconformado e já sem sentir os dedos do pé, pediu para ser observado noutro hospital, o São João. Foi então confirmado, quase um mês depois, o pior cenário: uma "arteriosclerose de artérias nativas das extremidades, não especificada", que obrigava a uma cirurgia de urgência.

O homem de 28 anos viria a ser amputado de parte da perna direita.

Revoltado por entender que houve negligência, avançou para tribunal contra o Hospital Pedro Hispano e a prisão de Custóias. A Justiça deu-lhe razão, conforme o acórdão do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto.