top of page

IDC Cloud Roadshow®: mercado de Cloud vai crescer 20,3% e atingir 640 milhões de euros em Portugal

Descubra as 10 tendências que vão marcar os próximos cinco anos no mercado de Cloud



A International Data Corporation (IDC) anuncia que o mercado de Cloud Computing em Portugal irá crescer 20,3%, em 2023, e representar um investimento de 640 milhões de euros. Um valor que deverá manter a tendência de crescimento e atingir os mil milhões de euros em 2026.

“O mercado de Cloud continuará a desempenhar um papel cada vez mais relevante em toda a indústria de TI, como uma tecnologia dinamizadora para uma economia de ‘digital-first’. As organizações nacionais estão empenhadas em fazer a transição para uma economia cada vez mais digital e, nessa transformação, os serviços de cloud revelam um incremento substancial. Por essa razão, prevê-se um crescimento relevante nos próximos três anos na área de cloud computing”, sublinha Gabriel Coimbra, Group Vice President e Country Manager da IDC Portugal.

Em termos de categorias de cloud computing em Portugal, o destaque vai para a Software as a Service (SaaS) que reflete perto de 70% do mercado, e deverá representar, este ano, um investimento de 447,1 milhões de euros e de 685,2 milhões, dentro de três anos. O modelo Platform-as-a-service (PaaS) é o que tem apresentado maior crescimento, o que deverá manter-se numa média de 30,4%, até 2026. Este ano, o investimento em PaaS deverá atingir 103,1 milhões e 223,4 milhões de euros em 2026. Por último, no serviço Infrastructure as a service (IaaS) o investimento médio ao ano deverá rondar os 25%, até 2026, com as organizações a investir 143,4 milhões de euros, no corrente ano, e 264,2 milhões em 2026.

Nos últimos anos, o cloud computing tem vindo a representar uma mudança fundamental na forma como as empresas gerem os seus negócios, tornando as organizações mais ágeis e não exigindo investimentos avultados em hardware. As soluções cloud trazem um conjunto de benefícios relevantes para as organizações, pois são soluções fáceis de gerir e de manter e são suportadas por regras de segurança consolidadas. Hoje, grande parte das empresas e organizações já entendem a necessidade de alocar os seus sistemas a estruturas seguras e de baixa manutenção, uma tendência que tem criado uma constante competitividade dos custos inerentes à implementação deste tipo de soluções.


10 tendências do mercado de Cloud para os próximos 5 anos

No IDC Cloud Roadshow, um evento IDC Portugal que se realizou hoje no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, foi apresentado o estudo “Cloud 2023 Preditions”, que destaca 10 previsões sobre como as organizações de TI podem tirar maior partido das tecnologias cloud e capitalizar e estender a nuvem para novos locais, enquanto mantêm uma governação inteligente dos recursos cloud nos próximos cinco anos.


1ª Previsão: Até 2024, 40% das empresas G2000 deslocará 10% da informação para um fornecedor da nuvem para tratar dados, requisitos técnicos e operacionais.

A implementação de medidas de privacidade é agora a prioridade máxima para as multinacionais. Devido ao impacto que a guerra Rússia-Ucrânia está a ter no processamento de dados das organizações em todo o mundo, mais de metade dos inquiridos afirmou que vai criar diretrizes ou a acelerar a sua implementação.


2ª Previsão: Até 2027, 65% das empresas vão poupar mais de um milhão de dólares por ano, recorrendo à automatização para melhorar a resiliência e reduzir as tarefas repetitivas das operações informáticas.

As plataformas modernas de automação informática oferecem muitas vantagens em relação às gerações anteriores. Estas vantagens incluem modelos de software rápido de tempo para valorizar (SaaS) e inteligência artificial (AI) permitindo ações proactivas com limitações humanas intervenção.


3ª Previsão: Até 2025, 75% das organizações vão privilegiar parceiros tecnológicos que forneçam uma experiência consistente de implementação de aplicações através da Cloud, Edge e ambientes dedicados.

Há espaço para o modelo da nuvem melhorar e os fornecedores de TI trabalhar de forma colaborativa para permitir este aperfeiçoamento em todas as suas plataformas, mesmo em situações competitivas. Os dados da IDC mostram que enfaticamente os clientes querem gerir ambientes híbridos e multi-nuvem.


4ª Previsão: Até 2025, 55% das empresas G2000 vão adotar plataformas logísticas de dados multi-nuvem para permitir a migração ativa de dados, otimizar os custos, reduzir as dependências dos fornecedores e melhorar a governação.

A logística de dados descreve a forma como os dados se movem através de um sistema, desde a criação até ao valor. A capacidade de mover dados de uma plataforma em nuvem para outra permitirá às organizações disponibilizar mais serviços e ajudar a reduzir o risco de desagregação.


5ª Previsão: Até 2025, 70% das empresas vão adotar WANs e redes cloud para melhorar a disponibilidade, latência, desempenho e fiabilidade da Cloud, nas aplicações Edge e Workloads.

As aplicações são essenciais aos negócios digitais, por isso é importante migrar as aplicações existentes para ambientes cloud. À medida que as aplicações gravitam para a nuvem é redefinida a forma como as redes devem ser arquitetadas e operadas para servir as necessidades do negócio digital.


6ª Previsão: Até 2027, 80% das organizações vão investir em aplicações especializadas com base na cloud e ambientes de alto desempenho de computação para ganhar agilidade, escala, e tornar os negócios mais rápidos.

As organizações de TI já não precisam de se preocupar com a otimização e a desafios inerentes, uma vez que muitas destas questões são resolvidas pelo fornecedor de serviço.


7ª Previsão: Até 2026, 45% das empresas G2000 vai adotar a ciber-recuperação como um serviço, à medida que os ataques de Ransomware aumentam e exigem estratégias de recuperação sofisticadas.

O Cyber-recovery as a service (CRaaS) é um mercado em desenvolvimento e com uma taxa de crescimento elevada. A IDC estima que o CRaaS deverá atingir 317,7 milhões de dólares até 2026 (149,3% CAGR).


8ª Previsão: Até 2024, 80% dos compradores de TI vão tomar a sua decisão de usar serviços cloud se o fornecedor demonstrar que a sua solução ajuda a reduzir as emissões de carbono do cliente.

Enquanto as empresas de serviços profissionais ainda estão na vanguarda de ajudar as organizações a estabelecer metas e estratégias na área da sustentabilidade, os dados da IDC mostram que o software e a infraestrutura informática das empresas estão também a ser vistas como parceiros importantes. A infraestrutura da Cloud desempenha um papel significativo na jornada das organizações para um futuro sem carbono, uma vez que a maioria das emissões de carbono estão a ser produzidas fora das suas operações principais.


9ª Previsão: Até 2027, a IA aumentará a velocidade, gerando automaticamente um código para satisfazer as exigências do negócio, para 80% das novas soluções digitais em desenvolvimento e implementação precoce.

Durante os próximos cinco anos, as ferramentas de desenvolvimento ao longo do ciclo de vida da aplicação devem incorporar, cada vez mais, a capacidade de gerar código automaticamente. Em 2027, esta tecnologia será tão persuasiva que a IDC acredita que será capaz de gerar código para satisfazer os requisitos comerciais para a grande maioria das novas soluções digitais.


10ª Previsão: Até 2024, as complexidades do negócio digital e as pressões orçamentais em TI vão levar 70% das empresas G1000 a investir em FinOps através da otimização múltipla de cloud.

As empresas estão a passar de projetos pontuais de transformação digital para um modelo de negócio totalmente digital. Esta mudança está a impulsionar a necessidade de otimizar os recursos e os custos na nuvem.

Comments


bottom of page