top of page

Mais uma sessão do "Salvé a língua de Camões"

Leitura encenada “Dionísia”, de Cecília Ferreira


A quinta sessão da 19ª edição do projeto Salvé a Língua de Camões foi apresentada no MuMMa - Museu da Memória de Matosinhos, na passada sexta-feira, dia 28 de julho. Com a encenação de William Gavião, o elenco, constituído por 9 elementos da Companhia de Teatro Reactor, deu voz e corpo a “Dionísia”, uma leitura encenada sobre o tema da loucura. A dramaturga Cecília Ferreira esteve presente na sessão, dando a conhecer o contexto da criação deste texto, numa breve conversa com o público no final da leitura. Cecília Ferreira nasceu em Marco de Canaveses e vive no Porto. É licenciada em Línguas e Literaturas Modernas (FLUP), em Interpretação (ESMAE), mestre em Literatura Românicas Modernas e Contemporâneas (FLUP) e pós-graduada em Dramaturgia e Argumento (ESMAE). Desenvolve um trabalho assíduo na área da Dramaturgia, destacando-se o Grande Prémio de Teatro Português (S.P.A. / Teatro Aberto), que recebeu em 2013, pela peça A Acompanhante, publicado em livro pela INCM em parceria com a SPA. Salvé a Língua de Camões é um projeto da Companhia de Teatro Reator em parceria com a Câmara Municipal de Matosinhos. É um dos mais persistentes eventos de promoção e divulgação de dramaturgias de países de língua portuguesa, que visa promover a divulgação de textos teatrais de autores consagrados e emergentes, através das leituras encenadas. A próxima leitura encenada será apresentada a 25 de agosto, e integra o programa das comemorações do segundo aniversário do Museu da Memória de Matosinhos. A peça, intitulada “Jovem Machado” é da autoria da dramaturga e roteirista Bruna Christine. Mestre em Artes Cénicas pela UNIRIO, Bruna escreveu a premiada curta metragem Dança das Cadeiras (2017) e as peças As Horas Seguintes Nos Trouxeram Até Aqui (2019), Pé de Jabuticaba (2020) e Jovem Machado (2022). Fotografias: Francisco Magalhães

Comentarios


bottom of page