top of page

Matosinhos está no top 10 dos concelhos onde se desperdiça menos água em Portugal

Portugal continua a desperdiçar, com avarias, roturas e desvios, 28,8% da água que entra nas redes de abastecimento. Segundo os dados agora divulgados pelo regulador do setor, Matosinhos repete o sétimo valor mais baixo, a nível nacional, de água não faturada: 12,8%



Os dados dizem respeito a 2021, foram agora divulgados pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR) e mostram como a INDAQUA Matosinhos se mantém na liderança da gestão eficiente do abastecimento de água.

A gestão assegurada pela concessionária valeu a Matosinhos um volume de perdas de água nas redes de abastecimento de apenas 12,8%, o sétimo melhor resultado em Portugal e o quarto melhor da Área Metropolitana do Porto.

Já em 2022, os dados da INDAQUA Matosinhos mostram que houve uma melhoria significativa na percentagem de perdas deste concelho, que desceu para os 10,8%.

Estes valores contrastam com os resultados nacionais do indicador “Água Não Faturada”, que avalia estas perdas. Em 2021, a média do país situou-se nos 28,8%, correspondente a 237 mil milhões de litros de água por ano, num valor que se mantém relativamente constante há mais de uma década.

“A gestão de perdas nas redes é, acima de tudo, uma responsabilidade para com o meio ambiente, pois garante que estamos a contribuir de forma real para combater os desperdícios de água. É nesse sentido que estes resultados se tornam um motivo de orgulho para a equipa da INDAQUA Matosinhos, que tem procurado garantir uma evolução contínua na gestão eficiente do abastecimento, assim como nos confirmam que todo o investimento que temos realizado na operação, manutenção e reabilitação das redes de abastecimento de água se tem mostrado acertado”, explica Tiago Fragata, Diretor Geral da INDAQUA Matosinhos.

O indicador “Água Não Faturada” engloba, essencialmente, as perdas geradas por fugas, roturas, derrames em reservatórios ou outras ineficiências que fazem com que a água que entra nas condutas nunca chegue a ser consumida e que representam cerca de 74% do total. Somam-se ainda as perdas comerciais que acontecem junto do consumidor e envolvem consumos ilícitos (roubos ou desvios de água) ou mesmo de deficiente contabilização dos consumos devido a contadores obsoletos.

Na média de concessões operadas, em 2021, pela INDAQUA (Santo Tirso/Trofa, Vila do Conde, Santa Maria da Feira, Matosinhos e Oliveira de Azeméis), as perdas de água ficaram pelos 14,3%. De acordo com os dados da empresa, em 2022, esta percentagem foi reduzida para os 12,4%, contando com uma melhoria generalizada do desempenho e já com as mais recentes concessões do grupo: Barcelos, Marco de Canaveses e Paços de Ferreira.

Comentários


bottom of page