top of page

Norte e Galiza reforçam laços para dinamizar Caminhos de Santiago

O Norte de Portugal e a Região da Galiza estão a desenvolver um cluster turístico transfronteiriço, com o objetivo de “aprofundar relações” e potenciar “todos os recursos culturais, patrimoniais e paisagísticos dos dois lados da fronteira”



A revelação foi feita por Luís Pedro Martins, presidente do Turismo do Porto e Norte, durante a sessão de apresentação dos resultados do projeto «Facendo Caminho», lançado em dezembro de 2019 para criar “uma estruturação, proteção e valorização das rotas portuguesas dos Caminhos de Santiago”.

Segundo a nota de imprensa, o sucesso da iniciativa levou à decisão de todas as instituições envolvidas (Turismo do Porto e Norte de Portugal, Direção Regional da Cultura do Norte, Turismo da Galiza e AECT Galiza/Norte de Portugal) a apresentar nova candidatura no sentido de estender o projeto, e executar um «Facendo Caminho II».

“A grande novidade é que pretendemos fazer promoção externa conjunta, pois existe uma grande vontade de cooperar em torno da dinamização dos Caminhos de Santiago, que são prioridade absoluta”, afirma Luís Pedro Martins.

Por outro lado, Ildefonso de La Campa, da Axencia de Turismo da Galiza, recordou todo o potencial que ainda está por desenvolver neste segmento turístico, lembrando “os oito patrimónios mundiais existentes na euro-região” e o sucesso do projeto na promoção dos caminhos portugueses, “aqueles que mais cresceram no último ano com o trabalho de mapeamento, proteção e valorização que foi feito”.

Destacar que, em 2022, os dois caminhos portugueses certificados, o Central/Primitivo e o da Costa, foram percorridos por quase 125 mil pessoas, gerando um volume de receitas estimado em 16 milhões de euros, representando 38% do total do número de peregrinos.

bottom of page