Primavera Sound gera impacto de 36,1 milhões para a cidade do Porto

As 100 mil pessoas que passaram pelo NOS Primavera Sound 2022 geraram 36,1 milhões de euros para a cidade do Porto

Os gastos com alojamento, deslocações e refeições contribuíram para o balanço do impacto económico, sendo que só no recinto, em média, os festivaleiros gastaram 136,41 euros nos três dias.

De acordo com o estudo realizado, no recinto do festival, pelo ISAG – European Business School e pelo Centro de Investigação em Ciências Empresarias e Turismo da Fundação Consuelo Vieira da Costa (CICET-FCVC), 37% dos festivaleiros eram de nacionalidade estrangeira e “com 33 nacionalidades diferentes identificadas no recinto, destacaram-se Espanha, Reino Unido, Alemanha, França, Itália e ainda Brasil, Estados Unidos da América e Suíça como os principais países de origem”.

Para os visitantes nacionais e estrangeiros, “o alojamento foi a despesa mais significativa (126,9€ por dia), com 35% dos festivaleiros a escolherem permanecer em hotel, 29% em alojamento local, 18% em casa de amigos e 10% em hostel”. O preço foi o fator que mais pesou na escolha da estadia de 42% do público, seguido da proximidade do recinto (25%) e da experiência anterior (13%).

As viagens e deslocações foram a segunda maior despesa para quem marcou presença no festival durante estes três dias (67,9€ por dia). “Entre os gastos, contaram-se ainda refeições (47,2€, por dia), cultura e lazer (45,3€) e compras ou presentes (42,7€)”.

No que toca aos estrangeiros e residentes fora da AMP, 87% indicaram deslocar-se ao Porto propositadamente para o NOS Primavera Sound. Contudo, 46% queriam aproveitar a visita para conhecer o património da cidade, a animação noturna (41%) e as caves de Vinho do Porto (32%).

Segundo o documento 31,2% do público afirmou ter já participado em pelo menos uma edição anterior do NOS Primavera Sound e “13% eram mesmo verdadeiros “recordistas”, nunca tendo falhado uma edição desde 2012”. No entanto, o NOS Primavera Sound “conseguiu também conquistar novos públicos, com 69,8% dos inquiridos a afirmarem que estavam a conhecer o evento pela primeira vez”.

No balanço final de três dias de festival, “a avaliação global dos festivaleiros fixou-se nos 4,24 (de 1 a 5)”, sendo que só no que à música diz respeito, o palco NOS recebeu o maior grau de satisfação dos festivaleiros (4,25, de 1 a 5), seguido dos palcos Super Bock (4,08), Cupra (3,90) e Binance (3,84).