Sardinha portuguesa NURI dá a volta ao mundo na Golden Globe Race 2022

O entusiasta e profissional da vela, Michael Guggenberger, iniciará na “Golden Globe Race 2022” uma regata sem escalas à volta do mundo



Também a bordo, estarão as sardinhas da marca de culto NURI e best-seller da Pinhais, símbolo incontornável da indústria conserveira nacional. A famosa lata amarela vai acompanhar o navegador, não só como patrocinador – 300 latas cheias de sardinhas NURI, dando a volta ao mundo, cujo ponto de partida é Les Sables-d’Olonn, em França. Após a regata, estarão disponíveis numa edição limitada exclusiva nas lojas da marca.

A NURI, marca icónica, inicia assim uma viagem à volta do mundo juntamente com Michael Guggenberger. O navegador partirá no seu barco chamado “NURI”, um “Biscay” de 36 pés de comprimento da “Falmouth Boat Constructions”, de 1975, construído especialmente para a corrida. O barco “NURI” tem o nome homónimo do principal patrocinador, a tradicional sardinha artesanal de culto portuguesa. “A NURI, a “Golden Globe Race” e eu estamos unidos por valores como a tradição, paixão, qualidade, amor ao mar e, não menos importante, pelas mãos que com todo o cuidado e mestria relembram artes centenárias.”, afirma Michael Guggenberger.

NURI – Uma iguaria em qualquer lugar do mundo

Além do abastecimento de alimentos para 10 meses, seguem livros, música e 300 latas de sardinha NURI, que estarão a bordo do “NURI”. As latas, que irão dar a volta ao mundo, não se destinam ao consumo durante a corrida, pelo que estarão disponíveis após a corrida numa edição especial limitada na loja online.


“NURI”, um “Biscay” de 36 pés de comprimento

Desde 1920, que as sardinhas NURI são produzidas em Matosinhos, na Pinhais, casa da marca icónica posicionada para o mercado de exportação. A histórica conserveira mantém o processo artesanal original, que se mantém inalterado ao longo do último século, sendo a única fábrica de conservas em Portugal que, em toda a sua produção, preserva a tradição secular.

Em função da localização direta à costa atlântica portuguesa, a ligação ao mar e, portanto, à vela, há várias gerações que os pescadores de Matosinhos vão ao mar para apanhar sardinhas com a melhor qualidade.

Sozinho, sem parar e sem qualquer ajuda externa

Na “Golden Globe Race”, 18 velejadores de várias nações distintas navegam 30.000 milhas, sem escalas, sozinhos e sem ajuda externa. Navegam sem a mais recente tecnologia, em barcos de quilha longa padrão, que foram projetados antes de 1988 e que têm entre 32 e 36 pés (9,75 a 10,97 metros) de comprimento.

A corrida terá início a 4 de setembro de 2022, em Les Sables-d’Olonne, na costa atlântica francesa. Desde 2015, Guggenberger tem vindo a preparar-se intensamente para o sonho da sua vida e agora é o primeiro capitão de um país de língua alemã, na longa história da corrida. A destacar que também, pela primeira vez, uma marca de conservas portuguesa marca presença na “Golden Globe Race”, uma regata sem escalas à volta do mundo, através do patrocínio ao velejador, cujo barco tem o nome da própria marca: “NURI”.

“A “Golden Globe Race” contrasta com as corridas oceânicas modernas e remonta à era de ouro da navegação a solo”, refere Michael Guggenberger. “A regata é navegada com sextantes em cartas de papel, o diário de bordo é escrito à mão e as condições meteorológicas são determinadas pelos próprios velejadores.” Esta realidade é similar ao próprio método de produção tradicional da Pinhais, um processo maioritariamente manual, sendo a NURI 100% artesanal e embalada à mão.

Durante cerca de 300 dias, a corrida levará os velejadores de Les Sables-d’Olonne, passando pelas Ilhas Canárias até Trinidad, passando pelo Cabo da Boa Esperança, pela Austrália, Nova Zelândia e Cabo Horn, regressando depois ao Atlântico até Les Sables-d’Olonne.