Terminal de Leixões passa para gestão da APDL

Transferência de competências da gestão do Terminal Ferroviário de Leixões da IP para a APDL



A Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo, SA., vai gerir o Terminal Ferroviário de mercadorias de Leixões, à semelhança do que já acontece com o Terminal da Guarda. A decisão, aprovada hoje em Conselho de Ministros, confere a transmissão de competências da IP (Infraestruturas de Portugal) para a APDL, permitindo um impacto positivo a nível económico, social, bem como a criação de mais um passo decisivo rumo à neutralidade carbónica.

Para Nuno Araújo a integração do terminal na jurisdição da APDL “vai permitir aumentar o hinterland, aumentar a cota ferroviária, aumentar as mercadorias movimentadas pelo Porto de Leixões, aumentar as soluções para a cadeia logística (com ganhos evidentes tanto em rapidez como em competências), e diminuir a pegada ambiental, sendo este um importante contributo para a descarbonização da economia e cumprimento das metas que o país se propôs, tanto no que concerne à Estratégia para a Mobilidade Sustentável e Inteligente (da União Europeia) que prevê a duplicação do transporte ferroviário de mercadorias e triplicação do número de passageiros em alta velocidade, bem como em relação ao compromisso do âmbito do Roteiro para a Neutralidade Carbónica”.

O Presidente do Conselho de Administração da APDL considera a

conexão entre o transporte marítimo e ferroviário decisiva para a eficiência

da resposta do Porto de Leixões aos seus clientes, “permitindo uma

melhoria evidente dos processos, através da maior agilidade,

simplificação e otimização da movimentação de carga de e para

Leixões, e uma diminuição evidente das assimetrias do território”.

Para Nuno Araújo está criado mais um passo em linha com a estratégia da

APDL, que prevê a “o reforço da intermobilidade e o aumento da capacidade

instalada das suas infraestruturas portuárias”.

Neste momento, em Leixões, um contentor que venha pela ferrovia para o transporte

marítimo tem que sair da ferrovia, entrar na área urbana, e percorrer os 18

quilómetros que distam a entrada no Porto de Leixões. Agora, a gestão deste

terminal, que acontecerá ao 1.º dia útil após decorrerem 6 meses da promulgação

do diploma, vai permitir criar uma rede de ligação ao resto do país e a europa.