top of page

“50 segundos no meio de um conflito”

Portugal com ACNUR leva experiência sensorial às ruas com nova campanha de sensibilização



O mais recente parceiro nacional do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) inicia o trabalho de sensibilização com uma campanha sensorial única, nas ruas de Lisboa, que promete transportar as pessoas para a realidade de quem é forçado a fugir de suas casas devido a um conflito. Paralelamente, pretende inovar ao envolver não só a pessoa individual, mas também as famílias no trabalho do ACNUR.

Hoje, é um dia como tantos outros em Lisboa: o despertador toca, levantamo-nos, vamos trabalhar, ou tratar de assuntos pessoais ou pendentes, caso seja dia de folga. Mas e se a nossa normalidade fosse interrompida por uma série de sons frenéticos e desconcertantes de sirenes, bombas e, ao fundo, a voz desesperada de uma mãe que tenta proteger-se a si e ao seu filho?

O início inesperado de um conflito, pode mudar, numa questão de poucos segundos, a realidade de milhões de pessoas. E é precisamente essa a experiência que a Portugal com ACNUR quer simular com a nova campanha de sensibilização e envolvimento de doadores que tem nas ruas de várias cidades do país, a primeira “Face to Face” da organização.

“A mensagem que se quer passar é que estas situações podiam acontecer connosco e que é importante colocarmo-nos no lugar do outro. Ninguém escolhe ser refugiado, mas muitos de nós podem escolher doar, educar para esta realidade e ajudar pessoas forçadas a fugir”, ressalva a Diretora Nacional da Portugal com ACNUR, Joana Brandão.

Durante esta experiência sensorial a pessoa que é abordada pelas equipas da Portugal com ACNUR é convidada a ouvir um áudio e durante cerca de 50 segundos sentir, de olhos fechados, um pouco do medo e da angústia de quem é obrigado a fugir para sobreviver. Uma realidade que não está sequer assim tão distante de nós com a atual guerra na Ucrânia.

A importância e pertinência desta campanha, sobretudo nos dias que correm, levou a que a atriz Dalila Carmo aceitasse, de imediato, ser a voz por detrás da experiência sensorial. “Colaborei porque acredito ser urgente promover a empatia entre as pessoas e o contexto em que vivem milhões de refugiados. Fico feliz de poder ajudar de alguma forma e espero que as pessoas ajudem também".

Um sentimento partilhado por Nalina, da equipa de Face to Face da Portugal com ACNUR, que acredita que este é um caminho para fazer a diferença. “Vivemos tempos difíceis e cabe a cada um de nós dar o nosso contributo para deixar o mundo um pouco melhor do que o encontramos. Colaborar com a Portugal com ACNUR e saber que o meu trabalho está a mudar a vida de pessoas que foram obrigadas a fugir das suas casas não tem preço”.



Comments


bottom of page