Entrevista NM com Miguel Teixeira Santos

Café da Praça


Situado na envolvente da Biblioteca e Galeria Municipal de Matosinhos, o Café da Praça trouxe uma nova vida ao centro da nossa cidade.

Com um menu informal e casual, permite-nos usufruir de uma experiência gastronómica onde a atração é a qualidade da matéria prima, sempre de primeira linha e a paixão com que somos servidos.

É um despertar de sensações que fazem deste espaço um local de referência, atual, simples e despretensioso.”


Aberto todos os dias, das 12H00 às 00H00, exceto ao fim-de-semana (6ª feira e Sábado), altura em que funcionará até às 1H00 e apenas abrirá às 12H30.


Notícias Matosinhos: Como e quando surge o Café da Praça?


Miguel Santos: O Café da Praça surge em 2014, na altura enfrentava uma situação de desemprego que já se arrastava há algum tempo e criar uma solução para dar um rumo diferente á minha vida e á minha família não era um capricho, era uma necessidade!

O desejo de construir o meu próprio negócio era antigo, mas até essa altura não se tinha realizado. Talvez porque, até lá não tivesse tido a oportunidade certa ou a coragem e a “bagagem” necessária para enfrentar as dificuldades do empreendedorismo.

Creio, que o nascimento da minha filha tenha sido o ponto de viragem na minha vida e me tenha trazido a maturidade e a força que até á data não tinha tido.

Atualmente a minha empresa dá trabalho a cerca de 10 pessoas.

Não será nada demais, mas orgulho-me muito disso.

Considero que tudo têm o seu tempo certo, que nada é por acaso, que o caminho para o sucesso é uma longa estrada, muitas vezes íngreme e que na vida é importante definir metas e lutar muito para as atingir, porque nada cai do céu, a não ser chuva.


NM: Quais foram as principais adversidades que encontrou ao abrir o seu próprio espaço?


MS: Existem várias adversidades na vida de um empreendedor, contudo creio que o medo e a insegurança inicial, juntamente com a pressão gerada pelo peso das responsabilidades são sempre os piores inimigos para o sucesso de qualquer projeto.

Felizmente consegui ultrapassar essas barreiras e hoje lido bem com elas.

O segredo é nunca desistir e ter as pessoas certas ao lado.

O apoio da minha esposa e o facto de ela ter vindo trabalhar comigo foi muito importante. Ela é um verdadeiro pilar para mim e para o projeto, é incansável.

Todas as experiências, boas ou más que a vida empresarial me trouxe, fizeram de mim o que sou hoje. Faz tudo parte de um processo de crescimento pessoal e profissional. Sou grato por isso.


NM: Quais são os principais desafios na gestão de um espaço como o “Café da Praça “?


MS: Existem vários, na realidade todos os dias são um desafio, este ramo exige muito de nós, quer a nível físico, quer a nível mental.

A parte da gestão de recursos humanos talvez seja a mais difícil de qualquer empresa.

Uma grande parte das pessoas que hoje trabalham na restauração procuram este ramo de forma temporária, não têm grande capacidade de resiliência nem dão tempo ao tempo e não querem ou não percebem que podem crescer dentro de uma estrutura e fazer disto vida, tal como eu fiz.

No entanto, no nosso caso temos uma equipa maravilhosa e na sua base pessoas que vivem realmente disto e vamos conseguindo sempre superar esse tipo de dificuldades.

O trabalho tudo vence!

NM: Quando sonhou em abrir o seu próprio espaço idealizou o “Café da Praça “tal e qual como é hoje?


MS: Bom, considero-me um colecionador de ideias e um bocado sonhador desde sempre, por isso tinha muitas, mas admito que o Café da Praça, dentro do conceito, superou todas as minhas expectativas.

A ideia aqui foi criar um ambiente familiar e cosy dentro de um espaço cosmopolita e casual. Queriamos um restaurante recorrente e não esporádico. E conseguimos. Temos vários clientes que almoçam ou jantam cá mais do que uma vez por semana. È gratificante.


NM: Três palavras que caracterizem o espaço “Café da Praça”


MS: Versatilidade, qualidade e simplicidade.


NM: Qual o prato ou bebida que ninguém pode perder no Café da Praça?


MS: Felizmente todos os pratos da nossa carta funcionam realmente bem, contudo a nivel pessoal sempre me agradou imenso o hambúrguer Papa Figos pela feliz ousadia na mistura de ingredientes, também gosto muito da nossa francesinha em bolo do caco, Bib’o Porto e para os dias em que é preciso estar mais fit, a nossa massa vegetariana , a “Guilhermina”, pela simplicidade e paladar.

A nível de bebidas a nossa Sangria de Espumante é maravilhosa, os Gins e Mojitos também são ótimos e sabem sempre bem, principalmente agora no Verão que o calor aperta.



NM: Por fim, planos/objetivos para o futuro?


MS: Diria que a nível profissional passará muito por manter e reforçar os padrões de qualidade que identificam o nosso projeto e se possível continuar a crescer, sempre com a devida ponderação e equilíbrio.

A nível pessoal o plano é tentar nunca perder a garra e a paixão que me move e poder continuar a viver a vida de uma forma feliz e realizada.



Autoria: NM Matosinhos


Diogo