“Os Piratas” chegaram ao fim

Recriação histórica com milhares de visitantes

S. Pedro ajudou com o bom tempo. Milhares de pessoas percorreram o recinto onde decorreu mais uma edição de “Os Piratas”, na zona envolvente ao Forte Nossa Senhora das Neves, em Leça da Palmeira.

Esta recriação histórica, organizada pela Câmara Municipal de Matosinhos desde 2012, chegou ontem ao fim. Muitos foram aqueles que percorreram as tabernas para provar as iguarias típicas daquela época, visitar as inúmeras tendas de artesanato e assistir, em família, às rixas entre piratas, às acrobacias e às danças, numa viagem divertida ao século XVIII.

Destaque também para as atividades de “pirataria” que o Serviço Educativo realizou no recinto e para as visitas guiadas ao Forte Nossa Senhora das Neves, de tipo abaluartado com planta de estrela de quatro pontas, protegidas por muralhas inclinadas e guaritas salientes. Após a restauração da independência em 1640, e face à necessidade de defesa das nossas costas dos ataques espanhóis e corsários, foram edificadas uma série de fortalezas junto ao mar.

Em Leça da Palmeira foi construído o Forte de Nossa Senhora das Neves que, juntamente com os fortes de S. João da Foz e de S. Francisco Xavier (Castelo do Queijo), integrava a linha de defesa da cidade do Porto.

O início da sua edificação data de 1651, substituindo, assim, uma outra fortificação mais antiga e mais pequena, não muito longe dali cuja construção se tinha iniciado em 1638. Perdida a sua função militar, aí se instalou em 1844 a Alfândega do Porto e, em 1899, a secretaria do Porto de Leixões. Hoje é a sede da capitania daquele porto. Está classificado como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto 44075 DG 281 de 5 de dezembro de 1961.